Hemoglobina a1c, frutosamina e albumina glicada na diabetes gestacional: marcadores de controlo metabólico e desfechos materno-fetais (Record no. 13579)

Metadata
000 -Etiqueta do registo
campo de controlo de comprimento fixo
001 - Identificador do registo
Campo de controlo 13579
100 ## - Dados Gerais de Proc.
Dados gerais de processamento 20210128 2019 |||u0pory50
101 ## - Língua da publicação
Língua do texto, banda sonora, etc. Português
102 ## - País de Publicação
País de publicação Portugal
200 ## - Título
Título próprio Hemoglobina a1c, frutosamina e albumina glicada na diabetes gestacional: marcadores de controlo metabólico e desfechos materno-fetais
Primeira menção de responsabilidade Neuza Mafalda Domingues Mendes
Outras menções de responsabilidade orient. Fátima Serrano, Ana Luísa Papoila, Rogério Ribeiro
210 ## - Publicação, Distribuição
Lugar da edição, distribuição, etc. Lisboa
Nome do editor, distribuidor, etc. NOVA Medical School
Data da publicação, distribuição, etc. 2019
215 ## - Descrição física
Descrição física 170 p.
Outras indicações físicas il.
330 ## - Sumário ou Resumo
Texto da nota ABSTRACT: In Gestational Diabetes (GD) there is an association between maternal hyperglycemia and adverse perinatal outcomes (Metzger et al., 2008). Minimizing negative results implies optimizing metabolic control (Hartling et al., 2013). In current clinical practice, this means adjusting interventions, such as lifestyle modifications or pharmacological therapy, to self-determined daily capillary glycemia profile, in order to reach the recommended targets (Langer et al., 1989, 1991; De Veciana et al., 1995). Vigilance based on capillary glycemia allows strict metabolic control. It also facilitates the understanding of the relationship with meals, events and physical activity. However, it reflects only the instantaneous glycemia, which is susceptible to factors such as emotions or diet. It is not informative with regard to chronic or average values. In addition, the pain and inconvenience associated with multiple daily capillary punctures often result in poor adherence. The glycemic indicators can provide different, additional information. The traditional marker in DM is HbA1c. Its place in approaching pregnant women with type 1 and type 2 DM is already established (Endocrine Society - ES, 2013; World Health Organization, 2013a; International Federation of Gynecology and Obstetrics - FIGO, 2015; Sociedade Portuguesa de Diabetologia - SPD, 2016; American College of Obstetrics and Gynecology - ACOG, 2018; American Diabetes Association - ADA, 2018; National Institute of Care and Excellence - NICE 2018). Its clinical utility in GD, however, is controversial. In addition to its known and transverse limitations (such as interpretation in hemoglobinopathies or altered half-lives of erythrocytes), there are particularities that may constitute a limitation to its use in pregnancy. For instance, it refletcs the average concentration of glycemia over a long period of time (one to four months) if we consider that pregnancy is a dynamic state with a rapidly progressive peripheral resistance to insulin action. It is also affected by the iron deficiency states, so frequent in pregnancy. There are other, non-traditional biomarkers, with characteristics that make them interesting alternatives as glycemic indicators in GD. Glycated albumin is informative for average glycemia within two to three weeks prior to its determination. It is not influenced by hemodilution anemia or iron deficiency states. Its current application is limited to situations in which the value of HbA1c is known to be unreliable. It is superior to the traditional marker in predicting cardiovascular complications, hospitalizations and death in the diabetic population under hemodialysis. There are no widely recognized reference ranges for pregnancy. Fructosamine reflects the average concentration of glucose in the two to four weeks preceding it. It does not change according to the characteristics of hemoglobin and has a technically simple, rapid, accurate and inexpensive analytical determination. As for glycated albumin, its clinical use is limited to populations where it is known that HbA1c is not a good biomarker. It has been shown 18 to be associated with microvascular, macrovascular complications and mortality in diabetics with chronic renal failure undergoing hemodialysis. There is little evidence of its usefulness in pregnancy. The main objective of this investigation was to clarify whether, in GD, there is an association between HbA1c, glycated albumin and fructose of pregnant women and negative perinatal outcomes. For this, we followed a cohort of 100 women with unifetal pregnancy and Gestational Diabetes and their offspring up to the eighth week of puerperium. After exclusion criteria were applied, we analyzed the importance of these markers determined in the month before delivery, in the weight variability of the newborns and whether, individually or in combination, they can help predict the birth of newborns large for gestational age. We also investigated whether there is a relationship with the following neonatal complications: respiratory dysfunction, hypoglycaemia, hypocalcaemia, polycythemia, hyperbilirubinemia, hypertrophic cardiomyopathy and hospitalizations in the Neonatal Intensive Care Unit. We concluded that all biomarkers under study were associated with newborn weight. For each additional unit of glycated albumin, 20 units of fructosamine, or one unit increase of HbA1c, there was a mean increase in newborn weight of 76.08 g (p<0.001), 69.66 g (p<0.001), and 456.53 g (p<0.001), respectively. The models developed that included fructosamine and glycated albumin performed similarly (R2 =0.62 and R2 =0.61, respectively), and better than that of HbA1c (R2 =0.58). We further studied whether there was an added value of the alternative biomarkers in relation to HbA1c, since the latter is the traditional indicator. In fact, the best models were those in which glycated albumin or fructosamine were added to the base model with the clinical variables and HbA1c (R2 =0.67 for the clinical model with HbA1c and glycated albumin and R2 =0.66 for the clinical model with HbA1c and fructosamine). All biomarkers were associated with the birth of newborns large for gestational age. For each additional unit of glycated albumin, an increase of 20 units of fructosamine or one unit increase of HbA1c, there was an increase in the odds of having a newborn large for gestational age of 61% (p<0.001), of 45% (p<0.001) or four times higher (p=0.032), respectively. The model with the best discriminative ability to identify newborns large for gestational age was the one that included glycated albumin (AUC 0,81), followed by that of fructosamine (AUC 0,79) and only after that of HbA1c (AUC 0,71). Only glycated albumin and fructosamine were associated with the birth of newborns with respiratory dysfunction. For each increase of one unit of glycated albumin and 20 units of fructosamine there was an increased odd of 41% (p=0.004) and 26% (p=0.014) of having a newborn with respiratory problems. The discriminative ability of glycated albumin for this outcome was higher than that of fructosamine (AUC 0.83 and 0.81, respectively) and both were superior to that of HbA1c (AUC 0.76). In contrast to HbA1c, glycated albumin and fructosamine were associated with the birth of a child with at least one complication. For each additional unit of glycated albumin and for each increment of 20 units of fructosamine, there was an increase of 33% (p=0.015) and 24% (p=0.027), respectively, in the odds of having a newborn with at least one neonatal complication. The model with glycated albumin was the one that obtained the highest AUC, followed by that of fructosamine and then by HbA1c (AUC of 0.82, 0.81 and 0.79, respectively). In our cohort, the studied biomarkers were not significantly different among women with neonates with and without hypoglycaemia, hypocalcaemia, neonatal polycythaemia and hyperbilirubinemia, hypertrophic cardiomyopathy or hospitalization in the Intensive Care Unit. We concluded that glycated albumin and fructosamine appear to be superior to HbA1c as markers of perinatal complications in the offspring of women with GD. We do not know if the information given by these alternative glycemic indicators is additional to that of HbA1c. Our studies were unicentric and with small sample size. In addition, no additional measures of fetal growth and adiposity have been contemplated, which may relate better to biomarkers than just newborn weight. Information on the lipid profile of women, which may also influence the weight of newborns, was not collected as well. More and larger studies are needed to prove our findings. Both glycated albumin and fructosamine may prove to be important clinical tools in GD management.
330 ## - Sumário ou Resumo
Texto da nota RESUMO:Na DG, existe uma associação contínua entre a hiperglicémia materna e os resultados perinatais adversos (Metzger et al., 2008). A minimização dos mesmos implica a otimização do controlo metabólico (Hartling et al. 2013). Na prática clínica atual, isto passa pela aferição das intervenções, como a modificação do estilo de vida ou a terapêutica farmacológica, ao perfil de glicémias capilares diário auto-determinado, de forma a atingir os alvos recomendados (Langer et al., 1989, 1991; De Veciana et al., 1995). A vigilância baseada nas glicémias capilares permite um controlo estrito. Facilita também a compreensão da relação com as refeições, eventos e atividade física. No entanto, reflete apenas a glicémia instantânea, que é susceptível a fatores como as emoções ou a dieta. Não é informativa no que diz respeito a valores crónicos ou médios. Além disso, a dor e inconveniência associadas às múltiplas punções capilares diárias resultam frequentemente numa má adesão. Os indicadores de glicémia podem auferir informação distinta, adicional. O marcador tradicional na Diabetes Mellitus (DM) é a hemoglobina glicada (HbA1c). O seu lugar na abordagem das mulheres grávidas com DM tipo 1 e tipo 2 já está estabelecido (Endocrine Society - ES, 2013; Organização Mundial de Saúde - OMS, 2013a; International Federation of Gynecology and Obstetrics - FIGO, 2015; Sociedade Portuguesa de Diabetologia- SPD, 2016; American College of Obstetrics and Gynecology - ACOG, 2018; American Diabetes Association - ADA, 2018; National Institute of Care and Excellence - NICE 2018). A sua utilidade clínica na DG, porém, é controversa. Além das limitações conhecidas e transversais (como é o caso da interpretação em situações de hemoglobinopatias ou de semi-vida alterada dos eritrócitos), tem particularidades que podem constituir uma restrição à sua utilização na gravidez. Por exemplo, traduz a concentração média de glicémia de um período de tempo longo (um a quatro meses), se atendermos a que a gravidez se trata de um estado dinâmico com uma resistência periférica à ação da insulina rapidamente progressiva. É também afetada pelos estados de ferropénia, tão frequentes na gestação. Existem outros biomarcadores, não tradicionais, que têm características que os tornam alternativas interessantes como indicadores de glicémia na DG. A albumina glicada é informativa da glicémia média nas duas a três semanas anteriores à sua determinação. Não é influenciada pela anemia da hemodiluição ou pelos estados de carência de ferro. A sua aplicação atual limita-se às situações em que se sabe que o valor da HbA1c não é fidedigno. É superior ao marcador tradicional a prever complicações cardiovasculares, internamentos e morte na população diabética sob hemodiálise. Não tem intervalos de referência amplamente reconhecidos na gravidez. A frutosamina reflete a concentração média da glicose nas duas a quatro semanas que a antecedem. Não se altera consoante as características da hemoglobina e tem uma determinação analítica tecnicamente simples, rápida, precisa e barata. À semelhança da albumina glicada, atualmente utiliza-se apenas nas populações em se sabe que a HbA1c não é um bom biomarcador. Já mostrou associação a complicações microvasculares, macrovasculares e mortalidade em diabéticos com insuficiência renal crónica sujeitos a hemodiálise. Há pouca evidência disponível da sua utilidade na gravidez. O principal objetivo desta investigação foi esclarecer se, na DG, existe uma associação entre a HbA1c, a albumina glicada e a frutosamina das grávidas e desfechos perinatais negativos. Para isso, acompanhámos uma coorte de 100 mulheres com gravidez unifetal e DG e sua descendência até à oitava semana de puerpério. Num primeiro estudo (n=82 grávidas), analisámos a importância destes marcadores determinados no mês que antecedeu o parto, na variabilidade do peso dos recém-nascidos e se, individualmente ou em conjunto, foram preditores do status de grandes para a idade gestacional. No segundo estudo (n=85 grávidas) explorámos se existe relação com as seguintes complicações neonatais: disfunção respiratória, hipoglicémia, hipocalcémia, policitémia, hiperbilirrubinémia, miocardiopatia hipertrófica e internamentos na Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais. Em modelos de regressão linear, concluímos que todos os biomarcadores estudados se associaram ao peso dos recém-nascidos. Para cada unidade adicional de albumina glicada, 20 unidades de frutosamina, ou unidade de HbA1c, existiu um aumento médio do peso dos recémnascidos de 76,08 g (p<0,001), de 69,66 g (p<0,001), e de 456,53 (p<0,001), respetivamente. Os modelos desenvolvidos que incluíram a frutosamina e a albumina glicada tiveram um desempenho semelhante (R2 =0,62 e R2 =0,61, respetivamente), e superior ao da HbA1c (R2 =0,58). Estudámos posteriormente se existia um valor aditivo dos biomarcadores alternativos em relação à HbA1c, visto que este último é o indicador tradicional. Efetivamente, os melhores modelos foram aqueles em que se adicionava a albumina glicada ou a frutosamina ao modelo de base com as variáveis clínicas e a HbA1c (R2 =0,67 para o modelo clínico com HbA1c e albumina glicada e R2 =0,66 para o modelo clínico com HbA1c e frutosamina). Em modelos de regressão logística, todos os biomarcadores se associaram a recém-nascidos grandes para a idade gestacional. Para cada unidade adicional de albumina glicada, acréscimo de 20 unidades de frutosamina ou de uma unidade de HbA1c existiu um aumento na possibilidade de ter um recém-nascido grande para a idade gestacional de 61% (p<0,001), de 45% (p<0,001) ou quatro vezes superior (p=0,032), respetivamente. O modelo com melhor capacidade discriminativa para identificar recém-nascidos grandes para a idade gestacional foi aquele que incluiu a albumina glicada (AUC 0,81), seguido pelo da frutosamina (AUC 0,79) e só depois pelo da HbA1c (AUC 0,71). Apenas a albumina glicada e a frutosamina foram preditivas do nascimento de recémnascidos com disfunção respiratória. Por cada aumento de uma unidade de albumina glicada e de 20 unidades de frutosamina existiu um aumento da possibilidade de 41% (p=0,004) e de 26% (p=0,014) de ter um recém-nascido com disfunção respiratória. A capacidade discriminativa da albumina glicada para este desfecho foi superior à da frutosamina (AUC 0,83 e 0,81, respetivamente) e ambas foram superiores à da HbA1c (AUC 0,76). Ao contrário do que sucedeu com a HbA1c, a albumina glicada e a frutosamina associaram- -se ao nascimento de um filho com pelo menos uma complicação neonatal. Por cada unidade adicional de albumina glicada e por cada acréscimo de 20 unidades de frutosamina, existiu um aumento de 33% (p=0,015) e de 24% (p=0,027), respetivamente, na possibilidade de ter um recém-nascido com pelo menos uma complicação. O modelo com albumina glicada foi o que obteve AUC mais elevada, seguido pelo da frutosamina e depois pelo da HbA1c (AUC de 0,82; 0,81 e 0,79; respetivamente). Na nossa coorte, os biomarcadores estudados não foram significativamente diferentes entre as mulheres com recém-nascidos com e sem hipoglicémia, hipocalcémia, policitémia e hiperbilirrubinémia neonatais, miocardiopatia hipertrófica ou que necessitaram de internamento na Unidade de Cuidados Intensivos. Concluímos que a albumina glicada e a frutosamina parecem ser superiores à HbA1c como marcadores de algumas complicações perinatais nos filhos de mulheres com DG. Os nossos estudos foram unicêntricos e de pequenas dimensões. Além disso, não foram contempladas medidas adicionais de crescimento fetal e de adiposidade, que podem relacionar-se melhor com os biomarcadores do que apenas o peso dos recém-nascidos. Não foi ainda recolhida informação relativa ao perfil lipídico das mulheres, que pode também influenciar o peso dos recém- -nascidos. São necessários mais estudos de maior dimensão para comprovar os nossos achados. A confirmarem-se, tanto a albumina glicada como a frutosamina podem vir a ser ferramentas clínicas importantes na abordagem da DG.
606 ## - Nome comum
Koha Internal code 20927
Elemento de entrada Hyperglicemia
606 ## - Nome comum
Koha Internal code 1892
Elemento de entrada Diabetes, Gestational
606 ## - Nome comum
Koha Internal code 5758
Elemento de entrada Pregnancy
606 ## - Nome comum
Koha Internal code 30
Elemento de entrada Academic Dissertation
606 ## - Nome comum
Koha Internal code 5724
Elemento de entrada Portugal
610 ## - Termos de Indexação
Termo usado como assunto Tese de Doutoramento
610 ## - Termos de Indexação
Termo usado como assunto Medicina
-- Investigação Clínica
610 ## - Termos de Indexação
Termo usado como assunto NOVA Medical School
610 ## - Termos de Indexação
Termo usado como assunto Universidade NOVA de Lisboa
610 ## - Termos de Indexação
Termo usado como assunto 2019
675 ## - CDU
Notação 616
Edição 3.ª ed.
Língua da edição Português
700 ## - Responsabilidade principal
Koha Internal Code 20752
Palavra de ordem Mendes
Outra parte do nome Neuza Mafalda Domingues
702 ## - Responsabilidade secundária
Koha Internal Code 21273
Palavra de ordem Serrano
Outra parte do nome Fátima
Código de função Orientador de tese
702 ## - Responsabilidade secundária
Código de função Orientador de tese
Koha Internal Code 16690
Palavra de ordem Papoila
Outra parte do nome Ana Luísa Trigoso
702 ## - Responsabilidade secundária
Código de função Orientador de tese
Koha Internal Code 20929
Palavra de ordem Ribeiro
Outra parte do nome Rogério
801 ## - Fonte de origem
País Portugal
Agência NMS
Regras de catalogação RPC
856 ## - Localização e acesso electrónico
URL http://hdl.handle.net/10362/98644
090 ## - Números de controlo do sistema (Koha)
Número biblioitem do Koha (gerado automaticamente) 13579
942 ## - Elementos de entrada adicionados (Koha)
Tipo de item no Koha Documento Eletrónico
Suprimido Disponível no OPAC
Holdings
Removido (estado) Perdido (estado) Data de aquisição Identificador de recurso uniforme Origem do registo (biblioteca) (codificado) Código da organização que empresta ou é detentora (biblioteca) Código de barras Cota Tipo de circulação (não pode ser emprestado) Tipo de item e material
Disponível Disponível 2021-01-28 http://hdl.handle.net/10362/98644 Biblioteca NMS|FCM Biblioteca NMS|FCM 20210063 RUN Normal Documento Eletrónico