Avaliação da exposição in utero a contaminantes ambientais em recém-nascidos prematuros (Record no. 16054)

Metadata
000 -Etiqueta do registo
campo de controlo de comprimento fixo nam a22 4500
001 - Identificador do registo
Campo de controlo 16054
100 ## - Dados Gerais de Proc.
Dados gerais de processamento 20230411 2023 m||u0pory50
101 ## - Língua da publicação
Língua do texto, banda sonora, etc. Português
102 ## - País de Publicação
País de publicação Portugal
200 ## - Título
Título próprio Avaliação da exposição in utero a contaminantes ambientais em recém-nascidos prematuros
Primeira menção de responsabilidade Laila Silva Joanes Ribeiro
Outras menções de responsabilidade orient. Cláudia Marques, Diogo Pestana
210 ## - Publicação, Distribuição
Lugar da edição, distribuição, etc. Lisboa
Nome do editor, distribuidor, etc. NOVA Medical School, Universidade NOVA de Lisboa
Data da publicação, distribuição, etc. 2023
215 ## - Descrição física
Descrição física 61 p.
328 ## - Nota de dissertação ou tese
Especificações da dissertação ou tese e tipo de grau académico Dissertação de Mestrado
Área cientifica do grau académico Nutrição Humana e Metabolismo
Ano do grau académico 2023
Instituição que confere o grau académico Faculdade de Ciências Médicas, Universidade NOVA de Lisboa
330 ## - Sumário ou Resumo
Texto da nota Background: Early fetal exposure to heavy metals has been correlated to several health effects in children, such as neurological, developmental, and endocrine disorders and imbalance of intestinal homeostasis, and with future onset of chronic diseases in adulthood. It is known that the first 1000 days of life, which include pregnancy, are very important for the growth and development of the baby and of great vulnerability to epigenetic and environmental risk factors, i.e., a critical phase to be exposed to any type of contaminants so early. Aims: Assess in utero exposure to the heavy metals mercury (Hg), cadmium (Cd) and lead (Pb), through meconium analysis of very preterm infants and associate with subsequent health harms. To understand if there is a correlation of contaminants evaluated in mothers’ stool samples. Assess the dietary determinants of exposure and the impact on the microbiota, regarding mothers and infants. Methodology: Observational study, anchored in the cohort of very premature babies (below 32 weeks) hospitalized in the intensive care unit of Maternidade Dr. Alfredo da Costa, as well as their mothers. Food frequency questionnaires (FFQs) were applied to the mothers and the intestinal microbiota was analysed. For microbiota analysis, DNA amplification by real-time polymerase chain reaction was performed using the LightCycler instrument (Roche Applied Science, Indianapolis, IN, USA). Meconium and stool samples were freeze-dried, digested based on method 4.7 of the Elemental Analysis Manual (EAM) of the Food and Drugs Administration (FDA, USA) for 15 min at 210 °C. After digestion the samples were analyzed by ICP-MS iCAP™ Q (Thermo Fisher Scientific, Bremen, Germany). Results: The results of the study prove that there was in utero exposure to heavy metals. It was not possible to identify damage to health in this cohort of babies, mainly because it only consisted of very premature babies. It was possible to identify some of the main food sources of exposure to different heavy metals. It should be highlighted the results obtained for exposure to Hg, in which a positive correlation was observed in its levels between mother and baby, with vegetables being the main dietary determinants of exposure. It also had an impact on reducing the diversity and quantity of the microbiota of preterm infants with negative associations with several species. Conclusion: We realized that exposure to heavy metals in this population is a reality and could be harmful to both the health of mothers and babies. It may trigger several diseases in premature infants from birth and even in the future, namely due to the impact on microbial diversity
330 ## - Sumário ou Resumo
Texto da nota Introdução: A exposição fetal precoce aos metais pesados tem sido correlacionada com diversos efeitos na saúde infantil, como distúrbios neurológicos, de desenvolvimento, endócrinos e o desequilíbrio da homeostase intestinal, assim como com o futuro aparecimento de doenças crónicas na fase adulta. Sabe-se que os primeiros 1000 dias de vida, que incluem a gravidez, são muito importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebé e de grande vulnerabilidade a fatores de risco epigenéticos e ambientais, ou seja, uma fase crítica para se estar expostos a qualquer tipo de contaminantes tão precocemente. Objetivo: Avaliar a exposição in utero aos metais pesados mercúrio (Hg), cádmio (Cd) e chumbo (Pb), através da análise do mecónio de bebés muito prematuros e associar a danos de saúde subsequentes. Perceber se há correlação com os contaminantes avaliados nas fezes das mães. Avaliar os determinantes alimentares de exposição e o impacto na microbiota, relativamente às mães e aos bebés. Métodos: Estudo observacional, ancorado na coorte de bebés muito prematuros (abaixo das 32 semanas) hospitalizados na unidade de cuidados intensivos da Maternidade Dr. Alfredo da Costa, bem como das respetivas mães. Foram aplicados os questionários de frequência alimentar (QFAs) às mães e realizada a análise da microbiota intestinal. Para a análise da microbiota, foi realizada a amplificação de DNA por reação em cadeia da polimerase em tempo real usando o instrumento LightCycler (Roche Applied Science, Indianápolis, IN, EUA). As amostras de mecónio e fezes foram liofilizadas, digeridas com base no método 4.7 do Elemental Analysis Manual (EAM) da Food and Drugs Administration (FDA, EUA) durante 15 minutos a 210 °C. Após digestão as amostras foram analisadas por ICP-MS iCAP™ Q (Thermo Fisher Scientific, Bremen, Alemanha). Resultados: Os resultados do estudo comprovam que houve exposição intrauterina aos metais pesados. Não foi possível identificar danos de saúde nessa coorte de bebés, sobretudo por ser constituída apenas por bebés muito prematuros. Foi possível identificar algumas das principais fontes alimentares de exposição para os diferentes metais pesados. É de salientar os resultados obtidos para a exposição ao Hg, em que se observou uma correlação positiva nos seus níveis entre mãe-bebé, sendo os hortícolas os principais determinantes alimentares de exposição. Causou ainda impacto na diminuição da diversidade e quantidade da microbiota dos prematuros com associações negativas com diversas espécies. Conclusão: Percebemos que a exposição aos metais pesados nesta população é uma realidade e poderá ser prejudicial tanto para a saúde das mães quanto dos bebés. Poderá desencadear nos prematuros diversas doenças desde o nascimento e mesmo futuras, nomeadamente devido ao impacto na diversidade microbiana
606 ## - Nome comum
Koha Internal code 22173
Elemento de entrada Endocrine Disruptors
606 ## - Nome comum
Koha Internal code 22168
Elemento de entrada Gastrointestinal Microbiome
606 ## - Nome comum
Koha Internal code 24362
Elemento de entrada Metals, Heavy
606 ## - Nome comum
Koha Internal code 3712
Elemento de entrada Infant, Premature
606 ## - Nome comum
Koha Internal code 30
Elemento de entrada Academic Dissertation
700 ## - Responsabilidade principal
Koha Internal Code 24361
Palavra de ordem Ribeiro
Outra parte do nome Laila Silva Joanes
702 ## - Responsabilidade secundária
Koha Internal Code 21459
Palavra de ordem Marques
Outra parte do nome Cláudia
Código de função Orientador de tese
702 ## - Responsabilidade secundária
Código de função Orientador de tese
Koha Internal Code 22176
Palavra de ordem Pestana
Outra parte do nome Diogo
801 ## - Fonte de origem
País Portugal
Agência NMS
Regras de catalogação RPC
856 ## - Localização e acesso electrónico
URL http://hdl.handle.net/10362/151554
090 ## - Números de controlo do sistema (Koha)
Número biblioitem do Koha (gerado automaticamente) 16054
942 ## - Elementos de entrada adicionados (Koha)
Tipo de item no Koha Documento Eletrónico
Suprimido Disponível no OPAC
Holdings
Removido (estado) Perdido (estado) Data de aquisição Identificador de recurso uniforme Origem do registo (biblioteca) (codificado) Código da organização que empresta ou é detentora (biblioteca) Localização da prateleira Código de barras Cota Tipo de circulação (não pode ser emprestado) Tipo de item e material
Disponível Disponível 2023-04-11 http://hdl.handle.net/10362/151554 Biblioteca NMS|FCM Biblioteca NMS|FCM online 20230072 RUN Normal Documento Eletrónico